Clementina Freitas, Latino Confecções: ‘Fazemos questão de estar na linha da frente dos têxteis técnicos’

Com uma história de vida ligada à indústria têxtil, a CEO da Latino Confecções, Clementina Freitas, há muito que dá cartas na área do vestuário técnico-profissional.

A aventura do Grupo Latino começou há 36 anos, com a produção de peças de vestuário clássico para o mercado inglês, mas sempre com os olhos postos numa oferta diferenciadora e de maior valor acrescentado.

Hoje, a empresa dispõe de várias marcas próprias dirigidas a segmentos de mercado específicos e coloca a aposta em conhecimento e inovação no centro da sua estratégia de negócio.

Clementina Freitas falou com Marta Leite Castro para o programa PM+ do canal Sapo e explicou como tem sido o percurso da empresa até aqui e como é que vê o futuro da atividade.

‘Temos que ser conhecidos pelas marcas e deixar de ser subcontratados em Portugal’, defende a empresária, que considera fundamental o investimento em tudo ‘o que diferencie o têxtil tradicional português’.

Não é por acaso que a Latino investe permanentemente parte do seu volume de vendas em investigação e desenvolvimento, na procura ativa de respostas e soluções inovadoras que criem valor para o cliente, porque, afirma a empresária, ‘é o mercado que nos identifica os projetos onde queremos estar’.

Especialista em tecnologias de proteção individual, a empresa oferece vestuário técnico-profissional e militar de alto desempenho, setor onde é conhecida pelas suas soluções anti-corte, anti-fogo, e também na área da balística, produtos intensivos em conhecimento, muitos deles desenvolvidos em parceria com universidades e centros tecnológicos do setor.

A entrada na área da moda é a aposta mais recente da empresa, com a criação de uma marca urbantechwear para homem, a Bravian, que oferece vestuário de qualidade com design diferenciado, baseado em têxteis técnicos, cujo foco é o mercado internacional, especialmente os EUA.
A pensar nos mercados externos, o Grupo Latino oferece ainda outras marcas que aliam moda a proteção individual e que se dirigem para segmentos específicos como os desportos de elite.

Setenta por cento da produção da Latino tem como destinos principais a Europa e os EUA. ‘Singapura e Japão, é o nosso próximo passo’ conclui a empresária.



Aceda aqui à entrevista conduzida por Marta Leite Castro para o programa PM+ do canal Sapo