Raquel Santos, Metalúrgica Bakeware: ‘Gerir linhas de produção com pessoas a trabalhar em seis horários diferentes exige muita imaginação e criatividade’

A diretora-geral da Metalúrgica Bakeware Production falou ao jornal Expresso da sua experiência de gestão em contexto de pandemia e de como a empresa conseguiu contrariar o cenário de crise anunciada, com resultados surpreendentes de crescimento de vendas em 2020.

‘A vida nesta empresa de Valongo “correu bem em 2020, com o volume de negócios a crescer 46%, para os €6,5 milhões”, resumiu Raquel Santos, que representa a quinta geração no negócio fundado pelo trisavó, em 1896, e comprado pelo pai, nos anos 70, orgulhosa de ter “a maior coleção mundial de formas para bolos”.

O segredo do sucesso obtido no ano passado parece fácil de explicar. Habituada a exportar 90% do que faz para todos os continentes, com a oferta dividida entre o segmento do consumo doméstico (10%) e industrial (90%), onde tem clientes como a Bimbo, Panike ou Dan Cake, A Metalúrgica cavalgou a onda das refeições em casa e o boom de compras no retalho alimentar.’

Mas a gestão em tempos de pandemia foi um verdadeiro desafio para a gestora e para as suas equipas. “Gerir linhas de produção com pessoas a trabalhar em seis horários diferentes exige muita imaginação e criatividade”, diz a empresária, que é também membro da Rede Mulher Líder.


Aceda aqui à versão integral do artigo publicado pelo jornal Expresso.