Sónia Calado, Grupo DRT: ‘A margem de lucro na indústria de moldes tem vindo a ser esmagada’

Numa fase que traz desafios acrescidos à competitividade da indústria de moldes, fortemente penalizada pela crise pandémica, a administradora do Grupo DRT, Sónia Calado, falou para a revista Moldes&Plásticos do Diário de Leiria sobre os principais problemas que estão a afetar o setor e defendeu que ‘o aumento do preço da matéria-prima e dos custos de energia são uma bomba explosiva para atrasar a recuperação económica das empresas’.

A empresária refere que ‘a margem de lucro na indústria de moldes tem vindo a ser esmagada, ao longo dos anos, pela escassez de projetos e muito por causa da concorrência chinesa, onde os preços chegam a valores que não dão para as empresas portuguesas pagarem sequer a matéria-prima.’

Para a gestora ‘a solução tem de passar por uma política europeia que regule os preços de todas as commodities e que crie um limite às exportações destes materiais para a China e às importações vindas de lá’.

Com forte vocação exportadora, o Grupo DRT é reconhecido internacionalmente pelos seus padrões de qualidade na resposta a um mercado particularmente exigente como o da indústria automóvel e viu também este ano o seu esforço contínuo de inovação ser premiado com a atribuição do estatuto Inovadora da COTEC.

Aceda aqui à versão integral da entrevista publicada na Revista Moldes&Plásticos do Diário de Leiria, edição de outubro 2021:


Entrevista com Sónia Calado



Versão integral da Revista Moldes&Plásticos