Empresárias portuguesas trocam negócios pela paz

Em solidariedade com o povo ucraniano, um grupo de empresárias portuguesas decidiu suspender as suas relações comerciais com a Rússia, integrando a corrente solidária que tem unido países, cidadãos e instituições um pouco por todo o mundo a favor da manutenção da paz na Ucrânia.

Raquel Santos, diretora-geral d’ A Metalúrgica Bakeware Production tomou a decisão de parar duas encomendas que envolviam o fornecimento de um total de 5200 peças para uma multinacional do setor alimentar na Rússia.

Sónia Calado, administradora do Grupo DRT, suspendeu a produção de quatro moldes, que também tinham como destino este país.

Igualmente Regina Vitório, à frente da LSI Stone, acaba de declinar o fornecimento de matérias-primas para os seus clientes na Rússia, recusando estabelecer qualquer relação comercial com esta nação no momento atual.

Numa fase em que muitas empresas estão ativamente a investir na recuperação da atividade perdida em contexto de pandemia, colocar a responsabilidade social à frente do impacto financeiro é um ato de grande coragem.

No âmbito dos serviços de tradução, também Marta Aragão, outra empresária da RML, e CEO da Inpokulis-Traduções, participa no grupo de trabalho da www.wehelpuktraine.org, a plataforma solidária criada em Portugal para apoio a refugiados ucranianos, ajudando em todas as traduções necessárias à atividade da organização.